Um casamento na Sicília: precisávamos de melhor motivo para viajar? Começamos a organizar a viagem! Além de irmos ao casamento na Sicília, queríamos muito voltar a Florença e conhecer as Cinque Terre. Pronto, nosso roteiro estava formado, e é ele que nós vamos começar a compartilhar com vocês agora. Como começamos a viagem por Florença, vamos começar por ela! Nesse post então teremos Florença: dicas práticas de como chegar, onde ficar e o que ver e fazer por lá!

Nossa primeira parada no roteiro: Florença, a capital da Toscana!

Florença: dicas práticas

Decidimos começar explorando a Toscana! A Toscana é uma região da Itália central e, para explorarmos as suas cidades, o ideal é primeiro eleger uma ou duas bases, e depois alugar um carro, pois assim é possível ir de um vilarejo ao outro com mais facilidade, porém não é impossível desbravá-la sem carro. Nós experimentamos os dois: escolhemos como base a cidade de Florença e alugamos um carro para ir à região do Val d’Orcia e fomos de trem para as outras cidades. Os trens partem da estação Santa Maria Novella (SMN) para a maioria das cidades e algumas são alcançáveis por ônibus, cuja estação fica bem em frente à da estação de trem (SMN).

Curta nossa página no Facebook!

Algumas cidades da Toscana: Florença, Siena, Pisa, Lucca, Arezzo, Montalcino, Montepulciano, San Gimignano, Cortona, Lucignano, Pienza, Pitigliano, Volterra, entre muitas outras!

Florença (em italiano Firenze) é a capital da região da Toscana e foi fundada no ano 59 a.c. Passeando pela cidade podemos ver a alta concentração de arte e história em suas ruas. É considerada o berço do Renascimento, que foi um período fértil para a arte e a ciência. No passado, a cidade já foi a capital da Itália e foi governada por 300 anos pela família Médici, que investia muito em todas as áreas do conhecimento e artes.

Florença: dicas práticas – como chegar

Florença: dicas práticas

Chegamos na cidade pelo aeroporto Américo Vespucci. O aeroporto fica a 4km do centro da cidade. Podemos utilizar o serviço de táxis que ficam na porta do desembarque. Os táxis cobram uma tarifa fixa para o centro no valor de 22€ durante o dia e 25,30€ à noite. Além de cobrarem 1 euro por cada mala. Outra opção é utilizar o “Volainbus” que é o ônibus que faz o trajeto aeroporto até à estação ferroviária SMN. O trajeto é feito em 20 minutos e custa 6 euros a viagem e pode ser pago direto ao motorista. Caso queira comprar ida e volta o preço é de 10 euros e tem que ser comprado num guichê no aeroporto.

Se estiver com mala pequena e sozinho, vale a pena pegar o ônibus. Caso contrário, aconselhamos pegar o táxi. Florença é uma cidade com calçadas estreitas e de pedra e fica  muito difícil, mesmo com mala de rodinhas, andar pela cidade.

Florença: dicas práticas – onde ficar

Como íamos ficar 5 noites em Florença, optamos por alugar um apto no AirBnB – infelizmente, não estamos ganhando nada com esta indicação ;). Ficamos encantadas por um que ficava bem perto da Duomo, na via dell Oriuolo 13, uma excelente localização para explorarmos a cidade.

Florença: dicas práticas – o que ver e fazer

Ponte Vecchio – toda em pedra e  foi construída sobre o Rio Arno no séc. XIV.  A ponte foi a única da cidade que escapou da destruição durante a segunda Guerra mundial. Muito visitada por turistas tanto pela vista que proporciona como pelas várias lojas, especialmente joalherias e ourives. No meio da ponte há um busto em homenagem ao ourives Benevuto Cellini.

Piazza della Signoria – Charmosa praça onde fica o Palazzo Vecchio, que pertenceu à família Medici e onde hoje funciona a prefeitura. Nesta praça, vamos encontrar a réplica do David de Michelangelo, além de O rapto das Sabinas (figuras entrelaçadas da famosa estátua de Giambologna esculpidas em um único bloco de mármore) e Perseu de Cellini (uma estátua de bronze de Perseu decapitando Medusa).

Galeria deli Uffizi – o maior museu de arte da Itália, para visitar o melhor é comprar os ingressos online

Igreja de Santa Maria Novella  – tem uma famosa fachada bicolor e o interior gótico que guarda lindos afrescos como a Santíssima Trindade de Masaccio. Para visitação  é necessário pagar ingresso.

Duomo di Santa Maria dei Fiore – Igreja principal da cidade, fica na Piazza del Duomo e pode ser visitada de graça. Localizado no meio da cidade, o Duomo com sua cúpula alaranjada é com certeza um dos símbolos mais famosos de Florença. Não deixe de ver o portão leste do Batistério, o Portão do Paraiso, com dez painéis em relevo que mostram temas bíblicos. No portão estão apenas as cópias, os originais estão expostos no museo dell’Opera del Duomo.

Museo dell’Opera del Duomo –  aqui poderemos ver a Pietá, que Michelangelo começou a esculpir pouco antes de morrer e que foi concluída por outro artista. Maria Magdalena de Donatello e painéis originais de Ghibeerti. O museu fica aberto todos os dias de 9hr/19:30hr e aos domingos de 9/13hr. O ingresso para visitarmos o museu todo custa 15€ e pode ser comprado com antecedência pela internet. O ingresso dá direito a visitar além do museu o batistério, a torre do sino, a cúpula e a cripta. Os bilhetes comprados pela internet dão direito a marcação de horário para visitação de todos os espaços separadamente e são válidos por 48 horas.

Museu Nazionale del Bargello (Via del Proconsolo 4) – Situado em um dos mais antigos edifícios públicos da cidade – aberto de 8:15/17hr.

Piazza San Marco – Pontos altos: Galleria dell’Accademia, Museo di San Marco e Convento di San Marco

Os edifícios nos arredores da Piazza de San Marco ficavam no passado nos limites da cidade, servindo como estábulos e quartel militar. Hoje é um bairro estudantil com ruas frequentemente repletas de jovens alunos da universidade ou da Academia di belle Arti, a mais antiga escola de arte do mundo, fundada em 1563.

Museo di San Marco, fica na Piazza San Marco. É  um convento dominicano do séc. XV.  Lá encontraremos os Afrescos do “Último Julgamento” e a Anunciação, os dois de Fra Angélico, que viveu por muitos anos no local. Destaque para os quartos, que possuiam uma pequena janela e afrescos pintados pelo Fra Angélico, todos pintados por volta de 1400. Aberto de seg a sexta, de 8:15 a 13:20hr e Sab 8:15 às 16:20hr, aos domingos fechado. O ingress custa 6€.

Galleria dell’Academia – fundada em 1563, foi a primeira escola criada na Europa para ensinar especificamente as técnicas de desenho, pintura e escultura. A obra mais famosa exposta na galeria é o David de Michelangelo.

Basilica di Santa Croce – Além de linda por fora, ela é morada de italianos ilustres. São 276 tombas incluindo as de Galileo Galilei, Macchiavelli e Dante Alighieri. É aqui que começou a famosa Síndrome de Stendhal – a síndrome de sobredose de beleza, que é uma rara reação psicossomática decorrentes do excesso de exposição do indivíduo a obras de arte. Stendhal teria ficado extremamente emocionado após observar os famosos afrescos de Giotto Capela Niccolini dentro da Basílica.

Oltrarno

Um passeio legal em Florença é atravessar a Ponte Vecchio para conhecer a região do outro lado do rio Arno, que é conhecida como Oltrarno.  Esta  é uma área residencial com casas pequenas, praças tranquilas, lojas de antiguidades e ateliês que fazem restauração. A Via Maggio é um pouco mais movimentada, mas é só entrarmos numa das pequenas ruas que vamos encontrar uma Florença antiga, com restaurantes que  servem uma comida autêntica com preços razoáveis e várias lojinhas de locais.

Ponto de destaques do Bairro:

Palazzo Pitti e Giardino di Boboli – O palácio foi construído pelo banqueiro Luca Pitti, que tinha como objetivo superar a família Médici na ostentação de riqueza e poder. Porém, os herdeiros do banqueiro não conseguiram arcar com os seus custos de manutenção e o palácio acabou sendo vendido para a família Médici. Durante anos ele foi a residência dos Médicis e de outros governantes. Hoje abriga um museu com o acervo dos Médici. O Boboli Garden foi projetado  para os Médici após a compra do palácio. Um delicioso lugar para descanso após a visita ao Palácio Pitti. Vária estátuas ornamentam o jardim, principalmente ao longo da Viottolone, uma alameda de ciprestes.

Basilica di Santo Spirito na Piazza di Santo Spirito – A Basilica di Santo Spirito é uma igreja agostiniana fundada em 1250. O edifício atual data do final do século 15 e é uma construção simples e com um interior luxuoso.

Piazzale Michelangelo – projetada na década de 1860 por Giuseppe Poggi e adornada com cópias de estátuas de Michelangelo. Seus balcões atraem um número enorme de turistas e os inevitáveis bando de vendedores de souvenirs. Mas mesmo assim vale a pena a visita, principalmente pela vista indescritível que ela nos oferece. No belvedere da praça vamos encontrar uma réplica em bronze do David de Michelangelo. É o local ideal para se ver o pôr do sol e, claro, tirar várias fotos!

Para chegar: você pegar do outro lado da ponte o bus 12 e depois descer a pé. Ou então subir a pé mesmo. Depois de cruzar a ponte seguir o seguinte trajeto: virar na Rua Bardi, em seguida Via di S. Niccolo, San Miniato, Via del Monte alle Crocci, passar pela piazza Ferrucci Florence e ir subindo até chegar a Piazzale Michelangelo.

Ao lado da Piazzale Michelangelo tem dois parques: o Giardino delle Rose e o Giardino dell’Iris (neste último é onde poderemos ver os lírios, que é a flor que aparece no Brasão da cidade, porém eles só florescem entre 21 de abril e 21 de maio).

Veja no mapa todos os lugares:


Aguardem os próximos posts: a culinária toscana, onde comer em Florença, e bate e voltas para fazer na Toscana!

 

Deixe uma resposta