Apesar do nome, o País Basco não se trata de um país independente, mas sim de uma região entre o extremo norte da Espanha e o extremo sudoeste da França onde vive o povo basco. Eles vivem ali há mais de 4000 anos e este povo conserva boa parte dos seus traços culturais originais, principalmente a língua e o nacionalismo. Cerca de 90% do território Basco se encontra na Espanha e é a parte que mais lutou pela criação de um estado independente. Até hoje eles apenas conseguiram um parlamento próprio, mas ainda não são considerados um país independente.

Apesar disso, eles se consideraram um país e mantiveram sua língua própria, o Basco (Euskera), considerado uma das línguas mais antigas da Europa e diferente de tudo que já vimos. Mas isto não é um problema para o turista, pois eles falam o espanhol e as placas nas ruas estão nos dois idiomas.

Pais_Basco_foto1

Curta nossa página no Facebook!

Um pouco de Geografia: O País Basco (ou Euskal Herria) está localizado entre o Golfo de Biscaia e os Pirineus. Do lado espanhol, as províncias formam a Comunidade Autônoma Basca, cuja capital é Vitoria-Gasteiz e a Comunidade Foral de Navarra cuja capital é Pamplona. A comunidade Autônoma Basca é formada pelas cidades de Bilbao (Bilbo) que é a capital de Biscaia, San Sebastián (Donostia) que é a capital de Guipúzcoa e Vitoria (Gasteiz) que é a capital de Álava. A parte do País Basco do lado francês é chamada de Iparralde e é formada pelas cidades de Labourd, Basse Navarre e Soule.

Não é lá um destino muito badalado, mas mesmo assim vocês já devem ter ouvido falar de San Sebastián e sua gastronomia e praia; Bilbao e o seu indiscridível museu Guggenheim, além do festival de jazz; La Rioja e seus vinhos; Pamplona e sua festa de San Fermím (aquela que os touros são soltos no centro histórico e o povo corre atrás) e Biarritz (miarritze) e sua praia de surfistas. Toda a região é caminho de passagem dos peregrinos que atravessam os Pyrénées-Atlantique rumo a Santiago da Compostella.

Museu Guggenheim, Bilbao
Museu Guggenheim, Bilbao

 

Como já estávamos vindo de uma viagem longa pela Espanha, tivemos que escolher o que visitar com o tempo que tínhamos. Optamos por conhecer San Sebastián, Bilbao, Biarritz e agora vamos contar o que fizemos por lá.

Chegamos e saímos do País Basco de avião, pelo maior aeroporto da região, o Loui, que fica em Bilbao e tem o design inconfundível do arquiteto Santiago Calatrava. Tínhamos a opção de alugar um carro para passear pela região, mas preferimos testar o transporte público.

No aeroporto, saindo do desembarque, do lado de fora do terminal está localizada a parada do ônibus que nos leva para San Sebastián. A empresa que faz o transporte é a PESA. Pode até parecer confuso, pois não tem um guichê nem pessoas para informar, mas é tudo muito simples. Os passageiros esperam em um banquinho e a passagem é comprada direto com o motorista. Depois nós mesmos colocamos as malas no bagageiro, mas acaba tudo dando certo. Chegando no terminal em San Sebastián tem um ponto de táxi. Atenção, pois caso vá pegar o ônibus na volta para Bilbao, a passagem tem que ser comprada pela internet, ou numa lojinha que fica bem na esquina perto deste terminal de ônibus em San Sebastián . E neste caso tem duas opções: um ônibus que vai para o aeroporto e outro que vai para o centro da cidade de Bilbao. A passagem aeroporto/San Sebastián custa 11,75 euros e a viagem dura 1:13 hrs. Na volta San Sebastian/Aeroporto de Loiu, a passagem custou 16,85 euros.

 

San Sebastián

Escolhemos San Sebastian como base. A maioria faz de Bilbao sua base para explorar a região, mas sugerimos San Sebastián principalmente se for primavera ou verão, por se tratar de cidade praiana que é sempre bem mais divertido. O hotel que nós escolhemos ficar foi o Hotel de Londres y de Inglaterra por sua localização, bem em frente à principal praia que fica na baía das conchas. Um escândalo! E o preço foi bem razoável. Consulte o Booking.com pra ver os preços em outras datas. Nosso quarto era imenso e com uma vista da baía fantástica! No térreo, tem o restaurante La Brasserie Mari Galand (Zubieta 2), onde é servido o café da manhã, mas o restaurante também é aberto ao público em geral e serve refeições o dia todo. São várias opções de menu ou então pode-se pedir à la carte. Jantamos por lá uma noite e decidimos pelo menu que custou 40 euros. Excelente opção, atendimento nota 10 e comida idem.

Hotel de Londres y de Inglaterra (Foto: Booking.com)
Hotel de Londres y de Inglaterra (Foto: Booking.com)

 

Vista do quarto
Vista do quarto

 

As praias principais ficam na Baía das Conchas e são La Concha e Ondarreta, uma ao lado da outra. Outra praia é a Zurriola, que fica do outro lado do rio Urumea.

Praia de La Concha
Praia de La Concha

 

A cidade é bem pequena, possui menos de 200 mil habitantes e seu centro histórico é pequeno e bem preservado. A cidade foi toda destruída no tempo da Guerra, e reconstruída. É uma cidade plana e com muitas ciclovias. Possui um city tour em ônibus hop on – hop off ou um trenzinho TxuTxu que passa pelos principais pontos turísticos, mas nós fizemos tudo a pé mesmo.

Agora em 2016, San Sebastian é uma das capitais culturais da Europa!

O que e onde comer?

A famosa gastronomia do País Basco pode ser degustada em qualquer bar ou restaurante do centro histórico. Por lá também encontramos restaurantes de chefs reconhecidos mundialmente como: Juan Mari Arzak, do Arzak; Andoni Aduriz, do Mugartitz; Pedro Subijan do Akelare e Karlos Arguiñano e Martin Berastegui cujos restaurantes levam seus nomes. Confesso que ficamos com preguiça de visitar estes restaurantes, pois alguns são com menu fechados e precisam fazer reserva e alguns ficam fora da cidade e, o principal, os preços são impublicáveis! =0 Mas fica a dica caso alguém queira ter esta experiência.

Os pinxos são pequenas porções em cima do pão ou para espetar com o palito. Uma tradicional é a gilda, um espetinho com anchovas, azeitonas e pimentos (não experimentei, pois não gosto muito de anchovas). E para acompanhar experimente a Sidra basca, lembra vinagre de maçã, sabor bem diferente, aprovamos.

Para apreciar a gastronomia e sentir o clima da cidade vá para a Rua Fermín Calbetón, que é onde encontramos o maior número de restaurantes (Jatetxea).

Vamos indicar apenas alguns, pois o bom mesmo é ir passeando e experimentando um pouco em cada lugar.

Beti Jai – Calle de Fermin Calbetón 22. Restaurante com decoração moderninha, garçons atenciosos e comida excelente!

Foto de Abril/2015 para referência de preços
Foto de Abril/2015 para referência de preços

 

Bodegon Alejandro – Calle de Fermin Calbetón, 4 (indicado no guia Michelin). O menu degustação estava custando 42 euros, mas tem também serviço à la carte com preços justos.

Jatetxea El Caserio, San Jeronimo 16. Esta rua é uma transversal à Fermin Calbetón. Jantamos lá uma noite e estava delicioso, infelizmente não tiramos foto, mas vale a visita.

À beira mar, Narru – Calle Zubieta, 56 (localizado no térreo Hotel Niza, que fica no Paseo de La Concha). Tem um bar e o restaurante com a cozinha do chef premiado Iñigo Peña. Menu do dia terça, quarta e quinta-feira no almoço e jantar custando 30 euros.

Além desses, recomendamos o Café de La concha, que mencionamos no passeio pela orla, e a Brasserie Marie Galand, que era o do nosso hotel.

 

O que fazer?

Por ser uma cidade praiana, é muito fácil de se locomover por lá. Tomando como base a praia das Conchas, em uma ponta está o Monte Igueldo e no lado oposto o Monte Urgül e, embaixo deste, o centro Histórico.

Não deixe de subir o Monte Urgull, o esforço pela subida vale pela vista indescritível da cidade! Lá em cima está o Castillo de La Mota e no topo uma estátua de Cristo de la Mota abençoando a cidade.

Pais_Basco_San_Sebastian_Monte_Urgull

Na descida, pegue o Passeo Nuevo para ver a escultura Oteiza e o teatro Victoria Eugenia onde acontece o festival de jazz e de cinema.

Pais_Basco_San_Sebastian_Oteiza

Ou então vá pelo outro lado e desça no porto velho, onde também encontramos vários restaurantes, muitos simples, e de onde saem os passeios de catamarã. Esta parte é bem badalada à tarde, na hora do por do sol, onde uma multidão se reune para ver os últimos raios de sol que se põem bem ali em frente. Mais adiante fica o Aquarium e o Museo Naval.

Pais_Basco_San_Sebastian_Porto_Velho

Bem aos pés também do Monte Urgül está o Museo San Telmo. No concreto na fachada há vários vazos onde brotam flores e muito verde! Bem perto dali, está a Plaza de la Constitucion, muito importante e onde se celebram várias festas. Depois é só se perder pelas ruas do centro histórico.

 

Pais_Basco_San_Sebastian_Museo_San_Telmo

Seguindo pelo outro lado do calçadão da praia das Conchas, chega-se ao local onde se pode pegar o funicular para a subida ao Monte Igueldo. Lá em cima tem um parque de diversões vintage, um hotel, um farol e um mirador com uma vista deslumbrante de San Sebastian. O bonde é todo em madeira bem antigo.

Pais_Basco_San_Sebastian_Monte_Igueldo

Volte caminhando pela praia, entre no Parque Miramar. O Palácio Miramar foi inspirado nas casas de campo inglesas, pois foi construido para receber a família real que vinha passar o verão. No calçadão da praia, encontramos algumas opções de almoço com vista para o mar. Se quiser a melhor vista é preciso reservar, mas só de estar em frente à praia já vale. Nós escolhemos almoçar no Café de La Concha, conseguimos uma mesa na varanda lateral com vista ótima para a praia. Escolhemos o menu do dia que custou 13 euros e estava uma delícia!

 

Você sabia que os bascos estão na moda? Isto mesmo! As alpargatas (nome na Espanha) ou espadrilles (nome na França) são peças típicas do vestuário local! Elas surgiram há 8 séculos e por aqueles lados nunca saíram de moda. O calçado é super confortável feito com tecido e sola de borracha contornado com corda. Hoje várias grifes famosas se inspiraram no calçado e elas viraram tendência. Aqui no Brasil temos alpargatas fabricadas pelas nossas famosas havainas e muitas outras grifes já colocaram sua versao nas vitrines da nova estação. A única diferença é que lá elas são baratérrimas e bem estilosas. No centro histórico, vocês vão encontrar várias lojinhas que vendem, o difícil é escolher. Uma dica: as mais tradicionais são as listradas de branco e azul. Se alguém não sabe o que é fotos abaixo:

Pais_Basco_Alpargatas

No próximo post, conto mais sobre Biarritz e Bilbao! Aguardem! 😉

2 COMENTÁRIOS

  1. Fiz uma viagem parecida. Paris x Biarritz x Paris. Ida e volta por avião. Aluguei um carro no aeroporto, onde devolvi quatro dias após. Fui a Bilbao (guggenheim), e San Sebastién. Jantei no Mugaritz (Chefe Adurez). Muito bom. Menu fechado, vinte e quatro pratos, incluindo carne de potro ( tenho o cardápio, posso cedê-lo). Como eu tinha que dirigir de volta para Biarritz nessa mesma noite, limitamo-nos à boa e velha e competente cava. Custo: 510 euros.

Deixe uma resposta